nutrients found in super foods can vastly improve the quality of male sperm

Efeitos clinicamente comprovados dos nutrientes para a fertilidade masculina

O corpo humano precisa de um fornecimento regular de nutrientes para se manter saudável. Relativamente aos nutrientes para a fertilidade masculina, os processos fisiológicos requerem diferentes tipos de vitaminas, minerais, aminoácidos e oligoelementos para funcionarem em pleno. A produção de esperma é um processo muito sensível a baixos níveis de nutrientes e ao stress oxidativo.

Vários estudos científicos independentes, revistos por especialistas, demonstraram que o efeito dos micro nutrientes na fertilidade masculina é significativo. Inversamente, a ausência ou a escassez de determinados nutrientes pode resultar em “subfertilidade” masculina. A carência de um nutriente em particular raramente resultará em infertilidade total, no entanto, poderá reduzir desnecessariamente a fertilidade e retardar a conceção.

Nutrientes essenciais para a fertilidade masculina

Arginina

O aminoácido não-essencial arginina tem benefícios diretos e indiretos sendo um dos nutrientes para a fertilidade masculina.

Enquanto precursor do óxido nítrico, a arginina contribui para a dilatação vascular e para um fluxo sanguíneo saudável. Isto é indiretamente importante para a fertilidade, na medida em que ajuda a manter a ereção, aumentando estatisticamente a probabilidade de conceção.

Os estudos confirmaram, efetivamente, que uma suplementação alimentar de arginina pode aumentar indiretamente a fertilidade, melhorando a função sexual em homens com disfunção eréctil 1.

A arginina também influencia diretamente parâmetros-chave da qualidade do esperma. Vários estudos clínicos concluiriam que ingerir 4 a 8 gramas de arginina diariamente pode aumentar a motilidade, a taxa e a concentração dos espermatozóides 2, assim como o volume da ejaculação3.

Sem quaisquer efeitos secundários conhecidos, este aminoácido estimula de forma segura a fertilidade masculina.

Continue a ler

Glutationa

A Glutationa é um poderoso antioxidante que protege os espermatozoides de danos causados pelos radicais livres. Estudos clínicos estabeleceram uma ligação entre os parâmetros anómalos do esperma e os baixos níveis de glutationa no plasma seminal.

A Glutationa revela-se particularmente importante na proteção do volume, da taxa de espermatozoides 4, motilidade5 e morfologia do sémen6.

A Glutationa pode ser produzida pelo corpo, no entanto depende da disponibilidade de outros aminoácidos, especialmente da L-Cisteína. Em períodos de stress ou de doença, os níveis de glutationa e de Cisteína requeridos pelo corpo podem ser elevados.

Assim, a baixa disponibilidade de Cisteína poderá traduzir-se em baixos níveis de glutationa e, por conseguinte, afetar negativamente a fertilidade. Como tal, é importante manter uma dieta que garanta a sua ampla disponibilidade.

Continue a ler

Carnitina

O amin

O aminoácido Carnitina é um importante coadjuvante para a motilidade e fornecimento de energia para a produção dos espermatozoides7. Sintetizada a partir dos aminoácidos lisina e metionina, a carnitina ajuda a fornecer combustível à mitocôndria e a eliminar produtos residuais resultantes da produção de energia.

A investigação nesta matéria encontrou uma relação entre os baixos níveis de carnitina e a infertilidade masculina8. Outros estudos sugerem que a complementação da dieta alimentar com carnitina pode ajudar a melhorar a qualidade geral do esperma9.

Em suma, foi comprovado que a complementação alimentar com este aminoácido aumenta a taxa e concentração, protege a integridade e a morfologia do ADN, e melhora a motilidade dos espermatozóides10.

Continue a ler

Vitamina A

Vários estudos concluíram que a vitamina A é essencial para a espermatogénese. Esta vitamina ajuda a ativar as ligações do recetor nuclear que envia o sinal para os testículos produzirem espermatozoides11.

Embora sejam necessários estudos mais aprofundados para determinar a dose de suplementação adequada, os dados preliminares sugerem que esta vitamina pode auxiliar no tratamento da fertilidade masculina. Pode também aumentar a probabilidade de sucesso de tratamentos de inseminação artificial, como é o caso da FIV (fertilização in vitro) e da IIU (Inseminação Intra-Uterina).12.

elopment/” target_blank=”false” size=”medium” color=”blue” animation=”none”icon=”JTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1sZXZlbC11cCUyMiUzRSUzQyUyRmklM0U=” icon_align=”left”]Continue a ler [/dt_button]

Ácido fólico (vitamina B9)

O ácido fólico, amplamente reconhecido como um importante composto para a saúde reprodutiva da mulher, também se revelou um dos mais importantes nutrientes para a fertilidade masculina. É necessário para o processo de espermatogénese (produção de espermatozoides nos testículos a partir das espermatogónias), e leva ao aumento da taxa de espermatozoides e da densidade do esperma.13.

Também ajuda e prevenir o desenvolvimento de anomalias cromossómicas nos espermatozoides14, que podem implicar uma baixa fertilidade.

Os baixos níveis de ácido fólico estão associados a um aumento de 30% da probabilidade de aborto espontâneo. Cerca de 80% dos homens possuem baixos níveis séricos de ácido fólico.

Continue a ler

Vitamina B12

O esperma saudável requer um suprimento adequado de vitamina B12. Este nutriente é importante para a replicação e desenvolvimento do ADN. A vitamina B12 favorece a produção de esperma e uma taxa de espermatozoides saudáveis.

Continue a ler

Vitamina C

São frequentemente encontradas elevadas concentrações de ácido ascórbico (vitamina C) no plasma seminal. Vários estudos concluiriam que esta vitamina é responsável por até 65% de neutralização de radicais livres no sémen. Este facto ajuda a proteger o esperma em desenvolvimento e a manter uma fertilidade saudável.

Os baixos níveis de ácido ascórbico no plasma seminal foram associados à redução da motilidade e da taxa de espermatozoides, bem como ao aumento de anomalias morfológicas15. Estima-se que um terço da população não tenha uma dieta suficientemente saudável para garantir a ingestão mínima recomendada de 80 mg diárias de Vitamina C.

Continue a ler

Vitamina D

O esperma humano possui recetores especificamente destinados a ligarem-se à vitamina D16.

Embora seja necessária mais investigação, os estudos iniciais sugerem que o esperma geneticamente saudável requer vitamina D17, que desempenha um papel essencial na regulação da fragmentação e estabilização da estrutura do ADN.

Os baixos níveis séricos de Vitamina D são bastante comuns. Cerca de 70% a 90% dos europeus revelam níveis insuficientes de Vitamina D. Este problema é mais acentuado no Norte e Centro da Europa e durante o Inverno.

Continue a ler

Vitamina E

A Vitamina E tem um papel particularmente importante na redução do stress oxidativo e, por conseguinte, na proteção do esperma e do ADN18. Está igualmente provado que melhora diretamente a motilidade do esperma19. Assim, os homens com baixos níveis de fertilidade podem aumentar as suas hipóteses conceção através de suplementação de vitamina E. Cerca de metade da população mundial não ingere a dose mínima diária recomendada de 12 mg de Vitamina E.

Continue a ler

Coenzima Q10

A coenzima Q10 atua como uma vitamina e ajuda a minimizar os danos causados pelos radicais livres. Vários estudos demonstraram que uma suplementação alimentar de CoQ10 pode melhorar a morfologia, a densidade e a motilidade do esperma20.

Este micronutriente é particularmente importante para a habilidade de nadar em frente, dos espermatozóides21 e para os proteger dos radicais livres22.

Continue a ler

Ómega 3

Vários estudos demonstram que os níveis do ácido gordo Ómega 3 no plasma sanguíneo podem influenciar a fertilidade. Os homens inférteis têm concentrações mais baixas deste ácido gordo nos seus espermatozoides quando comparados com os dos homens férteis23. Outros dados científicos também sugerem que uma suplementação alimentar com ácido gordo ómega 3 pode ajudar em casos de infertilidade masculina idiopática (sem explicação evidente)24.

Continue a ler

Extracto de casca de pinheiro

Estudos clínicos demonstraram que os compostos do extrato de casca de pinheiro melhoram a morfologia, a motilidade e a taxa de espermatozoides.25

Além disso, o extrato de casca de pinheiro parece potenciar os efeitos benéficos da Arginina na fertilidade masculina. Os estudos comprovam que a combinação do extrato de pinheiro bravo francês com a arginina tem bons resultados como adjuvante do tratamento da infertilidade masculina idiopática (sem explicação evidente)26.

Também existem evidências clínicas que sugerem que o extrato de casca de pinheiro potencia indiretamente a fertilidade, aumentando a resistência física masculina e a função eréctil27.

 

Continue a ler

Selénio

Este oligoelemento promove a integridade estrutural dos espermatozoides, ajuda a reduzir o stress oxidativo e promove a motilidade saudável do esperma28. A cultura agrícola na Europa tem um baixo teor de selénio.

Continue a ler

Zinco

O zinco é um dos oligoelementos mais importantes para a fertilidade masculina29. É um elemento de base fundamental para a produção da membrana plasmática e flagelo do espermatozoide30.

Os estudos demonstram que existe uma correlação entre a infertilidade e as baixas concentrações de zinco no plasma seminal31. Sem o suprimento adequado de zinco, os espermatozoides não conseguem amadurecer ao seu ritmo normal, o que implica a reduçãoda taxa de espermatozoides no esperma32 provocando, potencialmente, subfertilidade masculina.

Continue a ler

Em que casos os micronutrientes deverão ser uma opção?

alimentação durante a gravidez

A recomendação padrão é de que a ambos os elementos do casal que pretende conceber um filho tenham um estilo de vida bastante saudável. Auxiliar a fertilidade masculina não se deve limitar às situações que requerem tratamento clínico.

Uma das formas mais fáceis e eficazes de garantir que o organismo recebe níveis suficientes de nutrientes benéficos para a fertilidade é através de suplementos alimentares. Existe uma oferta significativa de suplementos naturais à base de nutrientes-chave para a fertilidade masculina.

Aumente as suas hipóteses de forma eficaz e eficiente

 

Os homens que pretendem começar uma família são fortemente encorajados a considerar a ingestão de suplementos alimentares. Isto irá garantir que serão abordados quaisquer problemas de fertilidade associados à carência de nutrientes. Trata-se de uma forma eficiente, acessível, comprovada e conveniente de intensificar a fertilidade masculina – sobretudo se se considerarem os custos elevados e as probabilidades incertas de tratamentos de fertilidade como a FIV ou a ISCI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides).

Quando aliados a alterações positivas no estilo de vida, os suplementos podem ajudar significativamente a aumentar as taxas de conceção.

Nutrientes simples ou múltiplos nutrientes?

Todas as correntes são apenas tão fortes quanto o seu elo mais fraco no que se refere a nutrientes para a fertilidade masculina. É mais eficaz tomar um produto combinado com vários nutrientes adjuvantes da fertilidade caso o homem possua uma baixa taxa de espermatozoides,  ou espermatozoides com fraca motilidade ou ainda uma má qualidade geral do esperma. Isto aumenta a probabilidade de otimização dos vários parâmetros de qualidade do esperma e, consequentemente, a Motilidade Total dos Espermatozoides (TMS).

Matematicamente, a TMS é o produto da taxa, da motilidade e do volume de espermatozoides, e mede (em milhares) o número de espermatozoides de alta qualidade presentes numa ejaculação.

Todos os micronutrientes adjuvantes da fertilidade são financeiramente acessíveis, bem tolerados e comprovadamente eficazes no que respeita à melhoria dos vários parâmetros da qualidade do esperma, em simultâneo.

Aumentar a ingestão de nutrientes para melhorar a fertilidade masculina

Estando bem estabelecidos os efeitos positivos dos nutrientes para a fertilidade masculina, os homens que pretendam construir uma família devem prestar especial atenção à sua dieta.

Apesar do corpo produzir alguns aminoácidos como a glutationa, a arginina ou a carnitina, é frequentemente necessária uma adaptação dietética para manter os níveis saudáveis.

Embora uma dieta equilibrada, enriquecida com alimentos não processados, possa ajudar a manter a disponibilidade dos nutrientes necessários para uma fertilidade saudável, poderá haver algumas limitações. As exigências nutricionais do corpo aumentam, por exemplo, em períodos de doença ou de stress prolongado, podendo, por vezes, reduzir a fertilidade.

Além disso, fatores associados ao estilo de vida, como o tabagismo, o consumo de álcool, um sono insuficiente, o excesso de peso e o sedentarismo podem afetar negativamente a fertilidade.

Os suplementos para a fertilidade masculina combinam diversos nutrientes,criando um poderoso comprimido intensificador da fertilidade.

Mas atenção, estes suplementos variam amplamente  relativamente à relação qualidade/preço. Saiba quais são os suplementos que merecem o seu tempo e dinheiro.

Todos os nutrientes para a fertilidade masculina

Bibliografia

  1. “Chen, J. et. al. (1999). Effect of oral administration of high-dose nitric oxide donor L-arginine in men with organic erectile dysfunction: results of a double-blind, randomized, placebo-controlled study, BJU International, Volume 83, Issue 3, (pp. 269-73)”
  2. “Schachter, J. et. al. (1973) Treatment of oligospermia with the amino acid arginine. Journal of Urology, Volume 110, (pp. 311-13)”
  3. “Imhof, Martin et al., “Improvement of sperm quality after micronutritient supplementation”, e-SPEN, the European e-Journal of Clinical nutrition and Metabolism”
  4. “Naher, Z. et.al. (2011). Role of glutathione in male infertility. Bangladesh Journal of Medical Biochemistry, Volume 4, Issue 2, (pp. 20-25)”
  5. “Lenzi, A. et.al (1993). Placebo-controlled, double-blind, cross-over trial of glutathione therapy in male infertility. Human Reproduction, Volume 8, Issue 10, (pp. 1657-67)”
  6. “Eskiocak, S., et al. (2005). Glutathione and free sulphydryl content of seminal plasma in healthy medical students during and after, Human Reproduction, Volume 20, Issue 9, (pp. 2295-600″
  7. “De Rosa, M. et.al. (2005). Correlation between seminal carnitine and functional spermatozoal characteristics in men with semen dysfunction of various origins. Drugs in R&D, Volume 6, Issue 1, (pp.1-9)”
  8. “Mataliotakis, I. et.al. (2000). L-Carnitine levels in the seminal plasma of fertile and infertile men: correlation with sperm quality. International Journal Fertility and Women’s Medicine, Volume 45, Issue 3, (pp. 236-240)”
  9. “Balercia, M. et.al. (2005). Placebo-controlled double-blind randomized trial on the use of l-carnitine, l-acetylcarnitine, or combined l-carnitine and l-acetylcarnitine in men with idiopathic asthenozoospermia. Fertility and Sterility, Volume 84, Issue 3. (pp. 662-671)”
  10. “Banihani S. et.al. (2012). Human sperm DNA oxidation, motility and viability in the presence of L-carnitine during in vitro incubation and centrifugation. Andrologia, Volume 44, Issue 1, (pp. 505-12)”
  11. “Zhou, X. et.al. (2011). The orphan nuclear receptor TR4 is a vitamin A activated nuclear receptor. Journal of Biological Chemistry, Volume 286, Issue 4, (pp. 2877-85).”
  12. “Merviel P, Heraud MH, Grenier N, Lourdel E, Sanguinet P, Copin H (November 2008). “Predictive factors for pregnancy after intrauterine insemination (IUI): An analysis of 1038 cycles and a review of the literature”. Fertil. Steril. 93 (1): 79–88. doi:10.1016/j.fertnstert.2008.09.058. PMID 18996517″
  13. “Wallock L. et.al. (2001). Low seminal plasma folate concentrations are associated with low sperm density and count in male smokers and non-smokers. Fertility and Sterility, Volume 75, (pp. 252-9)”
  14. “Young, S. et.al (2007). The association of folate, zinc and antioxidant intake with sperm aneuploidy in healthy non-smoking men. Human Reproduction, Volume 23, Issue 5, (pp. 1014-1022)”
  15. “Colagar, A. and Marzony, E. (2009). Ascorbic Acid in Human Seminal Plasma: Determination and Its Relationship to Sperm Quality. Journal of Clinical Biochemistry and Nutrition, Volume 45, Issue 2, (pp. 144-49)”
  16. “Lerchbaum, E. and Obermayer-Pietsch, B. (2012). Vitamin D and fertility: a systematic review. European Journal of Endocrinology, Volume 166, Issue 5, (pp. 765-78)”
  17. “Aquila, S. et.al. (2008). “Human sperm anatomy: ultrastructural localization of 1alpha,25-dihydroxyvitamin D receptor and its possible role in the human male gamete. Journal of Anatomy, Volume 213, Issue 5, (pp. 555-84)”
  18. “Suleiman, S. et.al. (1996). Lipid peroxidation and human sperm motility: protective role of vitamin E. Journal of Andrology, Volume 17, Issue 5, (pp. 530-7)”
  19. “http://www.jstor.org/discover/10.2307/76145?”
  20. “Safarinejad, M. (2009). Efficacy of coenzyme Q10 on semen parameters, sperm function and reproductive hormones in infertile men, The Journal of Urology, Volume 182, Issue 1, (pp. 237-28)”
  21. “Mancini, A. and Balercia, G. (2011). Coenzyme Q(10) in male infertility: physiopathology and therapy. Biofactors, Volume 37, Issue 5, (pp374-80)”
  22. “Talevi, R. et.al. (2013). Protective effects of in vitro treatment with zinc, d-aspartate and coenzyme q10 on human sperm motility, lipid peroxidation and DNA fragmentation. Reproductive Biology and Endocrinology, Volume 16, Issue 11, (pp.81)”
  23. “http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19666200”
  24. “http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22659579”
  25. “Roseff, S. (2002). Improvement in sperm quality and function with French maritime pine tree bark extract. Journal of Reproductive Medicine, Volume 47, Issue 10 (pp.821-4)”
  26. “Nikolova, V. et.al. (2007). Sperm parameters in male idiopathic infertility after treatment with prelox. Akush Ginekol (Sofiia), Volume 4, Issue 5, (pp. 7-12)”
  27. “Stanislavov, R. and Nikolova, V. (2003). Treatment of erectile dysfunction with Pycnogenol and L-arginine. Journal of Sex & Marital Therapy, Volume 29, Issue 3, (pp. 207-13)”
  28. “Hansen, J. and Deguchi, Y. (1996). Male fertility is linked to the selenoprotein phospholipid hydroperoxide glutathione peroxidase. Acta Veterinaria Scandinavica, Volume 37, Issue 1, (pp.19-30)”
  29. “Abbasi, A. et.al. (1980). Experimental zinc deficiency in man. Effects on testicular function. The Journal of Laboratory and Clinical Medicine, Volume 96, Issue 3, (pp.544-50)”
  30. “Caldamone, M. et.al. (1979). Seminal zinc and male infertility. Urology, Volume 13, Issue 3, (pp. 280-281)”
  31. “Chia, S. et.al. (2000). Comparison of zinc concentrations in blood and seminal plasma and the various sperm parameters between fertile and infertile men. Journal of Andrology, Volume 21, Issue 1, (pp. 53-57).”
  32. “Tikkiwal M. et.al. (1987). Effect of zinc administration on seminal zinc and fertility of oligospermic males. Indian Journal of Physiology Pharmacology, Volume 31, Issue 1, (pp. 30-34)”
Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

clear formSubmit