Exames básicos de fertilidade masculina

Cerca de 40% dos problemas de infertilidade estão relacionados com o homem, outros 40% estão relacionados com a mulher, e 20% resultam de complicações relacionadas com ambos os parceiros1.

A qualidade do esperma é um factor fundamental no diagnóstico da fertilidade masculina. O especialista em fertilidade recomendará uma análise de esperma, que será utilizada para avaliar uma série de parâmetros-chave. Entre eles, incluem-se o número de espermatozóides e respectiva motilidade e morfologia. Esta análise requer a utilização de uma amostra de esperma recolhida no momento.

A amostra de esperma para análise não deverá ter sido recolhida há mais de 30 minutos. Para o efeito, geralmente é utilizado o método de masturbação na clínica onde é feita a análise, numa sala individual.

A análise do esperma facultará informações ao especialista em fertilidade sobre o potencial de fertilidade do homem no momento em que foi feito o teste. Importa ter em conta que esta informação é meramente representativa de uma análise selectiva e não indica se a qualidade do esperma de um homem é permanentemente boa, “subóptima”, ou até, se poderá ter havido algum factor ambiental a influenciar temporariamente a qualidade reduzida do esperma. Uma vez que são produzidos cerca de 1500 novos espermatozóides por segundo2, o resultado de um espermograma pode variar substancialmente num intervalo de poucas semanas.

Podem existir problemas de fertilidade masculina, em que as probabilidades de concepção são muito poucas ou nulas, mesmo em casos em que o esperma tem uma qualidade elevada. Pode ser o caso de problemas como a disfunção eréctil, reacção de anticorpos aos próprios espermatozóides, variadas doenças genéticas ou anomalias hormonais. Este tipo de problemas requerem uma investigação mais aprofundada para que sejam apuradas as causas e possíveis tratamentos.

Através de consultas e da realização de mais análises, o especialista em fertilidade poderá tentar identificar a causa da infertilidade masculina. No entanto, as causas para a qualidade reduzida do esperma nem sempre podem ser determinadas com clareza3. Estes casos são designados como casos de “infertilidade sem explicação” ou idiopáticos4.

Aprenda a interpretar uma análise de esperma

Tipicamente, esta análise mede a taxa de espermatozóides, i.e. o número de espermatozóides por mililitro de esperma, a morfologia dos espermatozóides, i.e. forma, motilidade (habilidade de nadar em frente) dos espermatozóides, concentração de glóbulos brancos, níveis de frutose no esperma, volume total do esperma, pH e tempo de liquefacção.

 

Continuar a ler!

Histórico do paciente

Na fase inicial de exames, o especialista em fertilidade masculina irá conversar com o paciente sobre

  • o seu estado geral de saúde,
  • a existência de doenças crónicas,
  • a realização de tratamentos de quimioterapia, no passado5
  • intervenções cirúrgicas ou acidentes que tenham envolvido os órgãos de reprodução,
  • infecções ou doenças de infância que tenham surgido após a puberdade,
  • doenças genéticas familiares,
  • a concepção prévia de filhos, inclusive situações de aborto,
  • frequência da actividade sexual,
  • Consumo de álcool6 e/ou nicotina7, 8

Exames físicos

O especialista em fertilidade masculina irá também

  • solicitar uma ecografia escrotal (escroto, testículos e epidídimos),
  • fazer um controle das diferentes glândulas, um exame feito por via rectal
  • ponderar a realização de uma ecografia transrectal ou escrotal aos órgãos sexuais.

Outros exames

O especialista em fertilidade masculina poderá ainda solicitar

  • Uma análise pós-ejaculação à urina, que poderá indicar se os espermatozóides nadam no sentido oposto, em direcção à bexiga (ejaculação retrógrada), em vez de nadarem no sentido normal da ejaculação.
  • Análises ao sangue, para medir os níveis de hormonas produzidas pela hipófise, hipotálamo e testículos (testosterona), que têm um papel preponderante no desenvolvimento sexual e na produção de espermatozóides.
  • Testes genéticos, para diagnosticar possíveis alterações dos cromossomas Y ou diversas síndromes de anomalias congénitas ou hereditárias.

Dieta

Os espermatozóides são extremamente sensíveis, quer durante o seu ciclo de produção de 74 dias, quer ao ambiente, após a ejaculação. Por esse motivo o homem produz cerca de 10 milhões de espermatozóides por hora9.

Estudos realizados demonstraram que uma das principais causas para a tendência histórica da redução da qualidade do esperma, que se tem verificado desde 1900, é a má alimentação10. A dieta ocidental não inclui quantidades suficientes de várias vitaminas importantes, aminoácidos e outros micronutrientes, incluindo nutrientes necessários para uma produção optimizada de espermatozóides.

Estudos realizados demonstraram que, quando ingeridos em combinação, os nutrientes podem triplicar a quantidade de espermatozóides e aumentar quer a sua motilidade (movimento), quer o volume da ejaculação11. O que aumenta significativamente a probabilidade de uma gravidez.

Outros exames de fertilidade masculina

Clamídia

No homem, o teste de clamídia é feito através de uma análise à urina. Se o teste for positivo, o médico irá prescrever antibióticos para o seu tratamento.

Nutrientes para a fertilidade masculina

Os especialistas em fertilidade recomendam vários meses de ingestão de suplementos nutritivos tanto ao homem como à mulher, como uma forma de preparação para a FIV (fecundação in vitro) e outras terapias de fertilidade. Devido à sua eficácia comprovada e ao seu preço acessível, os nutrientes são cada vez mais recomendados a todos os aspirantes a pai, sobretudo a homens com 35 ou mais anos.

 

Continuar a ler!

Biópsia testicular

Se a quantidade de esperma for muito reduzida ou nula na ejaculação, o médico poderá determinar se existe uma disfunção na produção ou no transporte de espermatozóides através de uma biópsia testicular. Por exemplo, uma obstrução no canal deferente pode impedir a ejaculação dos espermatozóides.

Clique para saber mais informações sobre a biópsia testicular

Testicular-biopsy

Uma biópsia testicular consiste na recolha de uma amostra de tecido dos testículos e o exame é feito com anestesia local ou geral.12. Em seguida, o tecido é analisado para determinar a presença de células germinais.

Uma biópsia testicular apenas é relevante se o casal estiver a considerar uma inseminação artificial (Injecção Intracitoplásmica de Espermatozóides directamente no óvulo, geralmente designada como ICSI13). Uma vez que não existe qualquer aumento de fertilidade associado a este procedimento.

Se o homem decidir realizar uma biópsia testicular, deverá fazê-lo numa clínica com capacidade para congelar directamente as células germinais existentes, para que possam ser utilizadas mais tarde na fertilização dos óvulos. Isto evita que o homem se sujeite a uma nova biópsia para recolher espermatozóides.

Outros exames de fertilidade do casal

Natural-Pregnancy

Teste pós-coito (PCT)

Alguns médicos utilizam o teste pós-coito para efeitos de diagnóstico14, caso os testes e exames realizados anteriormente não apresentem quaisquer justificações para a infertilidade. Outros médicos recomendam este exame no início do tratamento de fertilidade, já que é rápido e fácil de realizar.

Leia o nosso artigo sobre o teste pós-coito.

mais informações

Bibliografia

  1. Hudson, B. (1987). The infertile couple. Churchill-Livingstone, Edinburgh
  2. http://humrep.oxfordjournals.org/content/18/2/447.full”
  3. “http://web.stanford.edu/class/siw198q/websites/reprotech/New%20Ways%20of%20Making%20Babies/causemal.htm”
  4. “http://en.wikipedia.org/wiki/Unexplained_infertility”
  5. “Paoli D, Gallo M, Rizzo F, Spano M, Leter G, Lombardo F, Lenzi A, Gandini L. Testicular cancer and sperm DNA damage: short- and long-term effects of antineoplastic treatment. Andrology. 2014”
  6. “Muthusami KR, Chinnaswamy P. Effect of chronic alcoholism on male fertility hormones and semen quality. Fertil Steril. 2005; 84(4): 919-24”
  7. “Mitra A, Chakraborty B, Mukhopadhay D, Pal M, Mukherjee S, Bannerjee S, Chaudhuri K. Effect of smoking on semen quality, FSH, testosterone level and CAG repeat length in androgen receptor gene of infertile men in an Indian city. Syst Biol Reprod Med. 2012; 58(5): 255-62”consumption or drug abuse[3. “http://en.wikipedia.org/wiki/Male_infertility#Diagnosis
  8. “Battista N, Pasquariello N, Di Tommaso M, Maccarrone M. Interplay between endocannabinoids, steroids and cytokines in the control of human reproduction. K Neuroendocrinol. 2008; 20(1): 82-9
  9. Padubidri, VG; Daftary, SN, eds. (2011). Shaw\\\\\\\’s Textbook of Gynaecology (15th ed.). p. 201
  10. “Decline in semen concentration and morphology in a sample of 26 609 men close to general population between 1989 and 2005 in France. http://humrep.oxfordjournals.org/content/early/2012/12/02/humrep.des415.abstract – See more at: http://menfertility.org/male-fertility-continues-to-fall/#fn-38-1”
  11. “http://www.altmedrev.com/publications/5/1/28.pdf”
  12. “http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/003908.htm”
  13. “http://en.wikipedia.org/wiki/Intracytoplasmic_sperm_injection”
  14. Hessel M, Brandes M, Bruin JPD, Bots RS, Kremer JA, Nelen WL, Hamilton CJ. Long-term ongoing pregnancy rate and mode of conception after a positive and negative post-coital test. Acta Obstet Gynecol Scand. 2014; 93(9): 913-20″
Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

clear formSubmit